Quinta-feira, 20 de Junho de 2019

POLICIAIS EM DEFESA DE APOSENTADORIA DIGNA PARA CATEGORIA

UM NOVO MODELO DE POLÍCIA PARA O BRASIL

A POLÍCIA FEDERAL
SOMOS NÓS!

30/06/2017

UM NOVO MODELO DE POLÍCIA PARA O BRASIL

Pense na estranheza que lhe causaria descobrir que o chefe de uma equipe cirúrgica tem muito menos experiência e especialização do que todos os seus demais subordinados.

 

Ou se o projeto final de uma hidrelétrica fosse liderado e assinado por um engenheiro que acabou de sair da faculdade.

 

Algo assim acontece na segurança pública brasileira por conta de um modelo muito peculiar e ultrapassado de ingresso nas polícias civis e federal.

 

Se na maioria dos países do mundo o agente começa em posições de subordinação e sobe na carreira, conforme seu mérito e formação, por aqui o profissional recém-formado em direito é alçado imediatamente a chefe de polícia e investigação.

 

E quais são as consequências?

 

A Operação Carne Fraca -cuja deflagração e, principalmente, divulgação midiática apresentaram claros sinais de amadorismo- talvez ofereça algumas respostas.

 

A ação desastrosa e a comunicação sensacionalista demonstradas no caso ameaçaram a posição do Brasil como exportador, atingiu nossa economia e gerou constrangimento à própria Polícia Federal.

 

Na questão do papelão na carne, por exemplo, bastava que se ouvisse o diálogo gravado com o mínimo espírito crítico para perceber que os interlocutores falavam sobre embalagens.

 

Agentes federais da área técnica, calejados pelo tempo de serviço, poderiam ter sido uma importante voz de cautela. Mas, apesar de trabalharem nas investigações, eles praticamente não participam da coordenação e da comunicação das grandes operações.

 

Vale lembrar: o sistema de carreiras da polícia portuguesa, que originou o brasileiro, foi abolido na década de 1940, para dar lugar ao de ingresso único. O policial galga posições à medida que ganha experiência, como em qualquer empresa.

 

A situação atual no Brasil remonta aos tempos do Império. Diante do grande analfabetismo da época, eram recrutados cidadãos letrados para ocupar, por delegação, o posto de chefe de polícia -função originalmente exercida pelos juízes.

 

A única -e positiva- exceção no país é a Polícia Rodoviária Federal, com ingresso apenas por concurso público, na qual a promoção na carreira é feita por seleções internas. Esse modelo tem gerado avanços inegáveis.


A Polícia Federal precisa ser cada vez mais multidisciplinar, com especialistas em temas como finanças, meio ambiente, informática e entorpecentes. Profissionais com formação em direito são importantes, pelo conhecimento das normas, mas não devem ter necessariamente o protagonismo.

 

Se isso não mudar, viveremos sob o risco de perder tempo e recursos, impedindo a punição de empresas e pessoas envolvidas em atos ilícitos.

 

No âmbito da Polícia Civil, menos de 10% dos homicídios são esclarecidos. Dados recentes mostram que, em São Paulo, as unidades do Poupatempo são mais eficientes para capturar foragidos do que a maior parte das delegacias -o sujeito vai fazer um documento e acaba pego.

 

É preciso repensar e modernizar a estrutura de nossas polícias. A ineficiência do atual modelo pode causar danos enormes ao processo de reconstrução ética e ao combate à corrupção.

 

FELIPE SANTA CRUZ, mestre em direito e sociologia pela Universidade Federal Fluminense, é presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) do Rio

 

LUÍS ANTÔNIO BOUDENS, especialista em segurança pública, é presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais

 

Artigo publicado originalmente na Folha de S. Paulo


Fonte: Agência Fenapef


    NOTÍCIAS

    Previdência ameaça apoio das polícias Civil e Federal a Bolsonaro

    Forte reduto do bolsonarismo, parte da polícia passou a olhar com desconfiança seu apoio ao presidente Jair Bolsonaro (PSL). Pelo menos na Polícia Federal e na Civil e nas guardas municipais, o entendimento é que as propostas do governo da reforma da Previdência colocariam em risco a aposentadoria e as pensões de agentes de segurança, a ponto de estudarem abandonar seu alinhamento ao Palácio do Planalto, o que rendeu muitos votos nas elei&cc...

    Vantagens para policiais no Federal Club

    Policiais da ativa, aposentados, pensionistas, todos os sindicalizados do Sinpef-ES têm direito a descontos que podem chegar a 70% e uma série de vantagens por meio do Federal Club. São oferecidos benefícios para compras de produtos do lar, instituições de ensino, academias, escolas de idiomas, lojas de roupas, passagens, hotéis, veículos e muito mais. Para comprar veículos, por exemplo, o Federal Club oferece um desconto médi...

    NOTA DE PESAR

    O Sindicato dos Policiais Federais do Espírito Santo (Sinpef-ES) manifesta profundo pesar pelo falecimento, neste domingo, do presidente do Sindicato dos Policiais Federais no Rio Grande do Norte (SINPEF-RN), José Antônio Aquino. Trata-se de uma grande perda, tanto de um amigo e companheiro zeloso quanto de um sindicalista combatente e árduo defensor dos policiais federais.   A toda família, amigos e companheiros de luta do já saudoso Aquino, nossa...

    Artigo: As renúncias na vida de um policial

    Por Hélio de Carvalho Freitas Filho, agente federal e vice-presidente do Sindicato dos Policiais Federais do Espírito Santo (Sinpef-ES)   Compreensível que, no decorrer de uma existência humana, ocorram renúncias em razão de infindáveis motivos, abdicando-se por vezes de certo estilo de vida, abrindo-se mão do conforto e da convivência familiar em função de uma oportunidade de trabalho em outro estado ou até...

    Bonificação por arma ilegal apreendida deverá reduzir mortes

    Um projeto recém apresentado pelo deputado federal Sanderson (PSL-RS) no Congresso está repercutindo no meio policial e promete ser uma alternativa para reduzir os índices de mortalidade por armas de fogo no Brasil. O texto prevê a implementação de bonificação por arma apreendida por policiais em todo território nacional.   Um estudo realizado no âmbito do Espírito Santo, de autoria do diretor do Sindicato dos Poli...

    Nova diretoria é eleita para mandato até 2021

    O Sindicato dos Policiais Federais do Espírito Santo (Sinpef-ES) elegeu, na última quinta-feira, 18 de abril, a Diretoria Executiva e o Conselho Fiscal que ficarão à frente da entidade até 2021. As urnas foram distribuídas em diferentes pontos de acesso, nas cidades de Vila Velha, Vitória, Cachoeiro de Itapemirim e São Mateus. A apuração foi realizada na terça-feira, 23 de abril.   Os nove membros e dois suplente...

    Eleição da Diretoria Executiva será dia 18 de abril

    O Sindicato dos Policiais Federais do Espirito Santo (Sinpef-ES) realiza, na próxima quinta-feira, 18 de abril, as eleições para a Diretoria Executiva e Conselho Fiscal da entidade. As urnas estarão distribuídas em diferentes pontos de acesso, com locais de votação em Vila Velha, Vitória, Cachoeiro de Itapemirim e São Mateus. Com mandato de dois anos, a nova gestão ficará à frente do Sindicato até 2021. &...

    Reforma da Previdência é debatida com parlamentares

    Para ampliar o debate sobre os impactos das mudanças no sistema previdenciário para as carreiras dos agentes de segurança pública, os representantes da União dos Policiais do Brasil (UPB) no Espírito Santo organizaram, na última segunda-feira, 01 de abril, um encontro com senadores, deputados federais e estaduais capixabas.   Realizado na sede do Tribunal de Contas do Estado, o debate foi intermediado pelo diretor da Federação...

    REFORMA DA PREVIDÊNCIA

    Policiais e bancada buscam espaço para mudança na Reforma da Previdência   Representantes da bancada capixaba estiveram presentes no encontro que debateu os impactos da Reforma da Previdência na carreira dos trabalhadores da segurança pública na manhã desta segunda-feira (1) na sede do Tribunal de Contas do Estado. A expectativa é de que haja espaço para mudanças da proposta do governo federal no Congresso, corrigindo pos...

    Segurança Pública: alegria efêmera

    A maior estrutura de segurança já montada para a posse de um presidente no país foi a da cerimônia do presidente Jair Bolsonaro, uma vez que a avaliação de risco também foi a mais elevada da história, após o ataque a faca sofrido durante a campanha eleitoral. Diante das inerentes preocupações e responsabilidades, cerca de seis mil agentes de segurança atuaram nesse evento, sendo cerca de 600 policiais federais, in...

    Clique aqui para exibir mais notícias