Domingo, 21 de Julho de 2019

POLICIAIS FEDERAIS DESENVOLVEM PROJETO DE FUTEBOL QUE AJUDA A MUDAR A VIDA DE JOVENS DE PERIFERIA

REFORMA DA PREVIDÊNCIA É APROVADA EM PRIMEIRO TURNO NA CÂMARA DOS DEPUTADOS; POLICIAIS FEDERAIS CONTINUARÃO EM BUSCA DE JUSTIÇA

"HÁ MUITA DISCUSSÃO SOBRE OS DIREITOS DE SE ARMAR, MAS POUCA SOBRE OS DEVERES"

UM NOVO MODELO DE POLÍCIA PARA O BRASIL

A POLÍCIA FEDERAL
SOMOS NÓS!

17/05/2018

LEGISLAÇÃO DEFASADA REFLETE NA DESVALORIZAÇÃO DA CARREIRA DE POLICIAL FEDERAL

O trabalho da Polícia Federal vem há muitos anos conquistando respeito e credibilidade da sociedade e ganhou ainda mais evidência após o início da Operação Lava Jato, em 2014, cujo grande diferencial foi a formação de uma Força Tarefa constituída por diversos integrantes de variados cargos.

 

Porém, nem todos os profissionais desse órgão têm o correspondente reconhecimento na lei, tampouco do grande público, uma vez que o trabalho dos agentes, papiloscopistas e escrivães vai muito além do pouco que foi mostrado em filmes e séries. No desempenho de suas atividades, por vezes de alta complexidade, são exigidos conhecimentos específicos para se alcançar os resultados exitosos das investigações.

O trabalho dos citados profissionais, tão imprescindível para o sucesso dessas grandes operações policiais que a todo momento surgem no país, ainda não está devidamente definido e consolidado em uma lei específica. Apesar de ser exigido via concurso público o nível superior para ingressar em todos os cargos da Polícia Federal desde 1996, até hoje as atribuições são regidas pela Portaria nº 523 de 1989, do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, que traz em seu texto funções defasadas e aquém das realmente desenvolvidas pelos agentes, papiloscopistas e escrivães.

 

O presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), Luiz Antônio de Araújo Boudens, afirma que, como não há atribuição em lei, existe um vazio que provoca insegurança jurídica, e a portaria do Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão, é, inclusive, objeto de ação judicial, criticando a sua validade. “Isso ocorre porque não há atribuições dos cargos da Polícia Federal. Já levamos ao Governo e judicializamos a ilegalidade da portaria”, afirma.

O vice-presidente do Sindicato dos Policiais Federais do Espírito Santo (Sinpef-ES), Hélio de Carvalho Freitas Filho, explica que o curso superior para ingressar na Polícia Federal passou a ser exigido a partir de 1996. “Contudo, passados todos esses anos, jamais as atribuições dos cargos de agentes, escrivães e papiloscopistas foram definidas em lei de acordo com a complexidade envolvida e conforme o nível superior exigido. A portaria que define as atribuições, de 1989, é de extrema simplicidade, como se os agentes, escrivães e papislocopistas federais não desenvolvessem e coordenassem atividades mais complexas em suas áreas de atuação”, pontua.

Existe um grande questionamento da categoria por conta dessa patente desvalorização profissional, em que os três cargos da Polícia Federal agregam grande valor às investigações e ainda assim não existe qualquer projeto de reestruturação interna de fato sendo desenvolvida. “Nossos agentes, escrivães e papislocopistas são especializados, mestres e doutores, que desenvolvem pesquisas com reconhecimento internacional, mas o rol de suas atribuições está completamente obsoleto. Se não fosse pelo desempenho pessoal dessas pessoas, nós não teríamos trabalhos tão bem elaborados. Então, a gente prima pela definição em lei das atribuições correspondentes à complexidade dos cargos”, enfatiza o vice-presidente do Sinpef-ES.

Um exemplo recente da capacitação desses profissionais e que reflete na melhoria do trabalho da Polícia Federal como um todo é a utilização de uma técnica desenvolvida durante a pesquisa de doutorado do papiloscopista capixaba Carlos Magno Alves Girelli para identificação de digitais nos cartuchos de munição usados no assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, no Rio de Janeiro.

Por uma série de motivos, a identificação de suspeitos com base nas impressões digitais reveladas a partir de cartuchos deflagrados é muito difícil. Não há consenso na literatura científica quanto ao melhor método de revelação a ser aplicado e são raros os casos criminais solucionados nesse sentido. Até o desenvolvimento da tese do papiloscopista capixaba, não havia procedimento padrão no Brasil que orientasse quanto a isso. “No caso Marielle processamos, no total, nove estojos de munição e um apresentou impressões digitais com qualidade suficiente para identificação”, conta Girelli.

 

Assim como no exemplo do papilloscopista Girelli, há inúmeros outros casos dentro da Polícia Federal, em que tais profissionais são responsáveis por desenvolverem trabalhos de destacada complexidade em contraste ao simples enunciado de suas atribuições tão mal redigidas.

Para o presidente da Fenapef, a exigência por uma lei é urgente. “É preciso que a legislação traga um rol de atribuições para cada cargo da Polícia Federal. Nós trouxemos o problema e a solução e o governo já tem todas as condições de apresentar um caminho. Agora, falta a vontade de colocar isso como projeto”, finaliza Boudens.


Fonte: Sinpef-ES


    NOTÍCIAS

    APF faz palestra sobre controle de produtos químicos na USP

    O Agente de Polícia Federal (APF) Gismar Pinheiro Junior esteve em São Paulo a convite da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP para palestrar sobre o tema "Compra, Guarda e Uso de Produtos Químicos Controlados pela Polícia Federal: Legislação e Normas". Foi durante o curso Princípio e Técnicas da Plastinação de Peças Anatômicas do Programa de Pós-graduação em Anatomia do...

    Policiais federais desenvolvem projeto de futebol para jovens

    Dia 19 de julho é o Dia Nacional do Futebol. Um esporte que é, indiscutivelmente, a maior paixão do brasileiro. O fascínio pelo time do coração, a emoção do gol e o encantamento pelo drible perfeito seduzem pessoas de todas as idades. Mexe também com o sonho de jovens que almejam a carreira de jogador e, consequentemente, com a mudança da dura realidade imposta nas comunidades mais carentes.   O projeto Capixaba Institu...

    Nota de Esclarecimento

    A Federação Nacional dos Policiais Federais - FENAPEF, entidade sindical de segundo grau, representante nacional de 14.000 policiais federais brasileiros vem a público esclarecer que não promove, patrocina, nem incentiva postagens com viés político-partidário, seja ele qual for.   A ideologia da FENAPEF é a defesa de uma segurança pública moderna e de qualidade, bem como de condições de trabalho dignas e j...

    Reforma da previdência é aprovada em primeiro turno

    Por 379 votos a 131, a reforma da previdência proposta pelo governo de Jair Bolsonaro foi aprovada em primeiro turno no Congresso Nacional. A votação se deu na noite dessa quarta-feira (10), em Brasília (DF). Para ser aprovada nessa primeira etapa, a proposta deveria receber 308 votos a favor. O segundo turno, de acordo com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, deverá ocorrer em agosto e depois a proposta seguirá para o Senado. At&eacu...

    Continua trabalho em Brasília por aposentadoria policial

    Entre os dias 9 e 11 de julho, policiais federais devem continuar trabalho iniciado no dia 2, com ato no Congresso e atividade parlamentar   A luta contra as inconsistências da reforma da previdência continua. O trabalho de convencimento com parlamentares da Comissão Especial da PEC 06/2019, iniciado na semana de 2 a 4 de julho no Congresso Nacional, em Brasília (DF), continuará na próxima semana, entre os dias 9 e 11.   Por esse motivo, a Fe...

    Fenapef convoca policiais federais para ato pela aposentadoria policial

    Policiais federais sindicalizados de todo o Brasil estão convocados para mais um ato pela aposentadoria policial. No dia 2 de julho, os operadores de segurança pública espalhados pelo País se reunirão em Brasília (DF) para pedir regras justas de aposentadoria e pensão para a categoria que se expõe a alto risco na sua atividade. Após o ato, organizado pela União dos Policiais do Brasil (UPB), haverá também uma at...

    Novo modelo de Segurança Pública proposta em livro

    O Prof.Msc. Roberto Darós acaba de lançar a segunda edição do seu livro “Segurança Pública: o novo pacto reformista da sociedade brasileira na estruturação da defesa social”. Trata-se de uma publicação onde o autor, que atuou durante 30 anos na investigação criminal da Polícia Federal, defende um novo modelo mais eficaz e moderno de gestão da Segurança Pública no Paí...

    "Há muita discussão sobre os direitos de se armar, mas pouca sobre os deveres"

    Diretor do Sindicato dos Policiais Federais, Fabricio Sabaini afirma que armar a população é terceirizar uma responsabilidade do estado que ainda falta vontade política para combater o tráfico de armas “Há muita discussão sobre os direitos do cidadão de se armar, mas pouca sobre os deveres”, Fabrício Sabaini, Diretor do Sindicato dos Policiais Federais afirma que armar a população é terceirizar uma r...

    Previdência ameaça apoio das polícias Civil e Federal a Bolsonaro

    Forte reduto do bolsonarismo, parte da polícia passou a olhar com desconfiança seu apoio ao presidente Jair Bolsonaro (PSL). Pelo menos na Polícia Federal e na Civil e nas guardas municipais, o entendimento é que as propostas do governo da reforma da Previdência colocariam em risco a aposentadoria e as pensões de agentes de segurança, a ponto de estudarem abandonar seu alinhamento ao Palácio do Planalto, o que rendeu muitos votos nas elei&cc...

    Vantagens para sindicalizados Sinpef-ES no Federal Club

    Policiais da ativa, aposentados, pensionistas, todos os sindicalizados do Sinpef-ES têm direito a descontos que podem chegar a 70% e uma série de vantagens por meio do Federal Club. São oferecidos benefícios para compras de produtos do lar, instituições de ensino, academias, escolas de idiomas, lojas de roupas, passagens, hotéis, veículos e muito mais. Para comprar veículos, por exemplo, o Federal Club oferece um desconto médi...

    Clique aqui para exibir mais notícias